As Bandas que “salvaram” o Rock nos anos 2000

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

See the full text in english, here.

Desde seu surgimento “oficial” no ano de 1955 (saiba um pouco mais sobre o controverso nascimento do rock aqui), o rock n’ roll figurou sempre nos charts de sucessos, seja na América ou na Europa.

Nos anos 1970, e mais ainda nos anos 1980, o gênero figurou com grande destaque, sendo que aproximadamente 70% das canções de sucessos eram rotuladas em algum sub-gênero do Rock.

Porém, em meados dos aos 1990 o panorama mudou e o rock começou a perder sua força no mainstream, numa escalada ao longo dos anos, à partir de 1994, que se empanturrava de boy bands, “divas” pop, e um pseudo-Rock, até que no fim da década, muitos veículos da imprensa musical decretaram a morte do Rock N’ Roll.

Em 1994, morria Kurt Cobain e o Nirvana, o Guns N’ Roses já amargava a geladeira, Bruce Dickinson havia saído do Iron Maiden, o Queen já não existia mais, e o que nos sobrava eram a rixas mimadas do Oasis, a lamúria rebelde do Cranberries, os escassos lampejos do Red Hot Chili Peppers, ou o punk de butique do Green Day e do Offspring.

Em 1995, Lenny Kravitz já cantava sobre a queda do estilo no mainstream, em seu clássico “Rock N’ Roll Is Dead”.

Claro que no underground existia uma cena pulsante e prolífica, que seria redescoberta anos mais tarde, com a popularização da internet, que naquele ano de 1995 era apenas um sonho de ficção científica, enquanto Lenny Kravitz, inclusive, já cantava sobre a queda do estilo em seu clássico “Rock N’ Roll Is Dead”.

Me refiro a mainstream, paradas de sucesso, e afins. Neste contexto, surgiram várias bandas que muitos diziam ser as salvações do rock, mas que no futuro não conseguiram sequer se salvar. Quando o milênio virou, pouco ou quase nada de Rock havia no front do mainstream. Você que viveu aquele período de transição, se lembra de algo além da explosão do hit “It’s My Life”, do Bon Jovi? Talvez “Elevation”, do U2…

The Strokes, Libertines, The Darknes, White Stripes e Hellacopters: Todas foram, por algumas semanas, a salvação do Rock!

No fim dos anos 1990 e começo dos anos 2000, surgiram novas bandas que primavam por um rock mais simples e com características setentistas do Rock Clássico, que atingiu o grupo descolado (leia-se indie) em cheio, rendendo bons frutos em termos de sucesso. As principais neste instante eram os Strokes e o White Stripes.

A primeira banda nasceu na cidade de Nova York e se “tornou” a “salvação do rock” do ano de 2001 por causa de seu grande primeiro álbum, “Is This It”. Neste play, se destacam as músicas “Last Night”, “Someday”“Hard To Explain”. Eles ainda emplacaram outro grande hit, “Repitilia”, no segundo disco, mas depois caíram na auto-indulgência e se relegam a pregar para convertidos.

 Seria “Seven Nation Army” o último GRANDE clássico do Rock? Daqueles que até quem não curte o gênero assovia?

A segunda banda supracitada primava pela originalidade do mais relevante nome desta geração do Rock: Jack White. A formação trazia apenas Jack White e Meg White, que na época não se decidiam ser cônjuges ou irmãos.

Foco maior para o segundo álbum “De Stijl” (como os destaques “You’re Pretty Good Looking(For a Girl) e “Hello Operator”) e o quarto álbum, “Elephant”, que traz as melhores músicas da dupla, à saber, “I Just Don’t Know What To do With Myself” e “Seven Nation Army”, esta segunda, quiçá, o último grande hino do Rock, que ganhou até mesmo os estádios de futebol.

Posteriormente, a dupla paralisou suas atividades e Jack White segue seus projetos paralelos, como o ótimo supergrupo The Racounters e uma brilhante carreira solo.

Como toda moda, após estes dois, surgiram vários grupos no estilo, como o The Hives. Outro grupo desta safra que teve sua parcela de salvador do rock nestes tempos, por resgatar a atitude roqueira dos anos 70, foi o ótimo e visceral The Libertines 

 O Strokes está longe de ser a melhor banda da época, mas certamente é a que tem o maior hype até hoje!

No ano de 2002 o Hellacopters chegou fazendo um som sujo, pesado e rápido, e obteve destaque com o ótimo “High Visibility” sendo anunciado como mais uma peça da “nova” salvação do rock que não passou de mais seis anos.

A maior aposta da primeira metade da década era o The Darkness. O primeiro álbum, “Permission To Land”, unia Queen, AC/DC e Def Leppard, em hits como “I Believe In A Thing Called Love”, “Black Shuck” e “Growing On Me”, e foi recebido com festa pela mídia especializada, e pelos saudosistas de plantão. Mesmo com uma carga de deboche fervilhante, a banda não passou de um fraco segundo álbum denominado “One Way Ticket To Hell… And Back”.

 Lembra do “The Darkness”? Eles foram a maior aposta de salvação do Rock na primeira década dos anos 2000…

O supergrupo Audioslave também participou desta renovação roqueira. Lançaram três ótimos álbuns com destaque para os dois primeiros, auto-intitulado e Out Of Exile. Mas como era formado por renomados músicos da geração anterior, deixaremos apenas uma menção a eles.

Nesta leva, ainda podemos citar o The KillersFranz Ferdinand, Danko Jones, e o Artic Monkeys. Mais recentemente, as salvações do rock são os grupos Avenged Sevenfold e o Wolfmother.

Queens Of The Stone Age, Slipknot, System Of A Down e Audioslave: Um pouco mais de peso nesta nova geração!

Das bandas que conseguiram dar continuidade a suas carreiras com qualidade, podemos citar o System Of A Down, que com certeza foi uma das únicas bandas que conseguiu salvar a si mesma, além de salvar o rock, em álbuns muito acima da média. Seu grande álbum de 2001, “Toxicity”, trazia os hits “Chop Suey”, “Aerials” e “Toxicity”.

Outra banda que se destacou e continua primando pela qualidade é o Slipknot. Seus dois primeiros álbuns são destaques absolutos desta nova geração de bandas e a música “Before I Forget” beira a uma espécie de hino roqueiro dos anos modernos.

Muito enquadram erroneamente, tanto o Slipknot quanto o System of a Down, dentro do Nu Metal, num mesmo balaio que Limp Bizkit, Linkin Park (“Hybrid Theory” é um excelente álbum, mas só este!), Coal Chamber e Deftones, bandas que também tinham suas qualidades, pontuais, mas existiam, rendendo bons hits à cena naquele período.

Assim como o Audioslave, o Queens Of The Stone Age era formado por nomes da geração anterior, e trouxe um pouco da sujeira estradeira para o rock, fazendo um som denominado de stoner rock. Seu álbum “Songs for The Deaf”, de 2002, trouxe hits como “No One Knows”e “Mosquito Song”.

Mesmo com um som um pouco mais pop não poderíamos deixar de citar o Coldplay e o Muse, bandas indicadas pelos renomado vocalista James Labrie do Dream Theater, ou o Nickelback.

As três bandas tiveram uma grande participação na primeira década dos anos 2000 trazendo, novamente, seja o pop ou o rock, para as primeiras colocações nos charts americanos ou europeus, e no caso do Nickelback, o álbum “Silver Side Up” (confira nossa resenha aqui), junto a “Break The Silence”, do Staind, são obrigatórios da época.

Na verdade, o rock é o estilo com maior personalidade na música moderna mundial. Este segmento musical já possui uma gama fiel de fãs que tornam o rock um estilo independente do sucesso do mainstream.

Assim,  posso afirmar que o rock nunca morreu, ele apenas se relegou ao seu círculo de fãs fiéis da mesma maneira como aconteceu com o Blues e o Jazz (afim de saber mais sobre Jazz? Confira nosso especial aqui) alguns anos antes.

Ou seja, o rock não morreu, mas foi promovido ao posto onde se encontram estilos que eu gosto de chamar de Música Clássica. Porém, o caminho tomado pela música hoje em dia é discutível no quesito qualidade, mas isso é assunto para uma outra postagem.

Quer conhecer grandes álbuns do Rock lançados à partir de 2012? Então confira nossa lista especial, com 23 discos para conhecer novas bandas de Rock. 

Anúncios

8 comentários Adicione o seu

  1. Só vim deixar meu registro aqui.

    Curtir

  2. Unknown disse:

    Linkin Park MAIOR BANDA DE TODAS e vc nao falo sobre eles

    Curtir

  3. Arthur Melo disse:

    Slipknot inovou na teatralidade brutal mesmo no mainstream e nas músicas com críticas a sociedade. Avenged Sevenfold tem uma qualidade técnica única, não dá pra comparar ela que nenhuma banda, eles criaram um estilo único unindo varias técnicas clássicas sem falar no guitarrista solo e no alcance vocal do vocalista. Ambas tem uma importância significativa pra sua época, não adianta querer comparar novas bandas com bandas dos 60's, 70's e etc. Não existe música ruim, existe gosto diferente.

    Curtir

  4. Arthur Melo disse:

    Este comentário foi removido pelo autor.

    Curtir

  5. Ficamos satisfeitos que tenha curtido post… Também concordo que o Audioslave foi um dos melhores nomes desta safra. Além do mais, é possível contrariar aqueles que dizem que o rock morreu na década de 1990… Abraços e volte sempre!

    Curtir

  6. Thiago Lemos disse:

    Muito legal mesmo o post! Estava refletindo, pensando sobre quem seria a grande banda originada nos anos 2000, se teria sido o Audioslave. Enfim, muito bom o post! abraço!

    Curtir

  7. Fico feliz que tenha concordado com o restante das bandas!
    Todavia, querendo ou não, estas duas bandas trazem muitos novos adeptos para o rock que irão absorver outras eras e logo as esquecerão…
    Abraços e volte sempre!?!

    Curtir

  8. Unknown disse:

    Avenged sevenfold e slipknot? não mesmo! em minha opinião, são bandas assim que me fazem sentir falta e saudades das bandas clássicas de 70 e 80 !

    Curtir

E aí? Curtiu? Conte-nos o que achou desta postagem, mas seja educado, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s