VOCÊ DEVIA OUVIR ISTO: Miles Davis, In a Silent Way


Dia Indicado para ouvir: Segunda-Feira.

Hora do dia indicada para ouvir: Dez da Noite.
 
Definição em um poucas palavras: Classudo ao quadrado, Instrumental, Progressivo, Sentimental.

Estilo do Artista: Jazz Fusion/ Cool Jazz.
 
Comentário Geral: Mais um disco suave de um dos maiores mestres atemporais do jazz. Entretanto, não é apenas mais um disco na extensa discografia do trompetista, e sim, o disco! Indicado a amantes do cool jazz, admiradores do rock e, até mesmo, a apreciadores do fusion, In Silent Way é ainda mais direcionado à aquelas pessoas que gostam de um som que flui tão devagar quanto naturalmente. O título cai bem ao disco que desfila toda a sutileza de Miles ao utilizar o silêncio de seu trompete em favor de sua música primorosa. Acompanhado de guitarra e piano elétricos, o músico ainda adiciona ao seu leque instrumental um órgão, instrumento que estava na moda naqueles dias que davam tons finais à prolífica década de 60. Impossível não se deixar levar pelas notas magistrais deste álbum que mostram as primeiras incursões de Davis a um som mais eletrônico e flertando com o futuro jazz-rock que viria no seu próximo álbum, o clássico Bitches Brew. Mais uma vez, Miles Davis se mostra um pioneiro moderno na música universal.

Ano: 1969.
 
Top 3:  O álbum trazia apenas duas músicas, uma com o título do álbum e Shh/Peaceful. Ambas ocupavam cada um dos lados do vinil.
 
Formação: Miles Davis (trompete), Wayne Shorter (sax soprano), John McLaughlin (guitarra elétrica), Chick Corea e Herbie Hancock (piano elétrico), Joe Zawinul (órgão), Dave Holland (baixo) e Tony Williams (bateria).

Disco Pai: Karlheinz Stockhausen: The Eletronic Music 1952-1960.
 
Disco Irmão: Miles Davis: Bitche’s Brew (1969).

Disco Filho: Weather Report: Heavy Weather (1977).
 
Curiosidades: A banda montada por Miles Davis para este álbum foi o cerne de todas as grandes formações de fusion e jazz rock que estariam por vir. Wayne Shorter e Joe Zawinul  formaram o Weather Report que tem no disco filho indicado o maior sucesso comercial do estilo. Mas ainda vieram  McLaughlin com sua grandiosa Mahavishnu Orchestra, Chick Corea e o competente Return To Forever, além do clássico Headhunters, álbum lançado por Herbie Hancock e que inaugura a fusão do jazz com o funk americano.

Pra quem gosta de: pensar na vida, ficar de olhos fechados, tomar um vinho e escutar o silêncio. 

 

Anúncios

E aí? Curtiu? Conte-nos o que achou desta postagem, mas seja educado, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s