VOCÊ DEVIA OUVIR ISTO: Foreigner, Foreigner

Dia Indicado para ouvir: Quarta-Feira.
 
Hora do dia indicada para ouvir: Sete da noite.
 
Definição em um poucas palavras:  Adulto, Grudento, Guitarra, Urbano.

Estilo do Artista: Classic Rock/AOR .
 
Comentário Geral: Geralmente, nas películas hollywoodianas, o forasteiro chega em um novo ambiente, para transformar, de alguma forma, o cenário local. Podemos dizer que os músicos ingleses Mick Jones e Ian McDonald cumpriram este papel ao cruzar o Atlântico e juntarem-se com o vocalista americano Lou Gramm. O nome da nova banda, fundada nos E.U.A., não poderia ser outro: Foreigner (forasteiro, em tradução livre). Claro que é um exagero dizer que esta banda transformou a cena americana do rock n’ roll como os personagens do cinema, mas unido a grupos como Journey, Boston, Styx, Reo Speedwagon e Heart, formataram um estilo que detinha as alcunhas Arena Rock, AOR ou Pop Metal. O primeiros lançamentos destas bandas se valiam das melodias inteligentes e harmonias bem trabalhadas do Rock Progressivo, suplantando o virtuosismo complexo pedante, acoplando refrões com forte apelo radiofônico e empacotando tudo com guitarras sintetizadas que traziam um peso além do hard rock, mas sem adentrar o terreno heavy metal. Apesar de não ter transformado sozinho o meio musical americano, o primeiro álbum do Foreigner, auto-intitulado, vendeu quatro milhões de cópias e seus shows os credenciavam como o grupo mais eficiente nas arenas onde desfilavam suas apresentações.  Lançado em 1977, o álbum abria com o primeiro sucesso do grupo, Feels Like the First Time, um típico rock clássico, adornado por teclados oriundos de influência progressiva e com clima das grandes canções do Bad Company. Outra grande canção do tracklist vem em seguida. Cold As Ice é uma pepita musical, com solo na melhor escola Queen. Aliás, toda a canção remete às harmonias de backing vocals, piano e arranjos que Freddy Mercury e cia compunham, sendo quase uma premônição de um Queen unido a Paul Rodgers. Ainda podemos dizer que Headknocker é a típica canção pop travestida de hard rock, sendo impossível ficar parado enquanto a canção sai dos falantes e Long, Long Way From Home é o rock n’ roll perfeito. Woman on Woman traz os elementos típicos do estilo que estava nascendo e que arrebataria o público das rádios FM’s.  Fool For You Anymay mostra que uma balada pode ter classe, buscar inspiração na soul music, sem ser menos rock n’ roll, tornando evidente que prostituições musicais futuras como I Want To Know What Love Is poderiam ser evitadas. Se acha que fui exagerado, ouça o solo arrasa-corações desta singela música e perceba a distância entre as composições. Numa coleção de sucessos, nada mais poderia ser enaltecido, mas uma composição deste álbum é tão diferenciada que chega a ser desconcertante, Starrider traz arranjos aqui e acolá que remetem a notas musicais tiradas de um cravo, o refrão leva-nos aos primeiros trabalhos do Blue Oyster Cult, mas elevado à máxima potência de qualidade harmônica, com adorno vocal de tirar o chápeu e um solo de guitarra à lá David Gilmour que entra pela alma. Qualquer descrição desta canção via adjetivos é pouco, onde nada está fora do lugar ou exagerado. Se és um fã daquele hard rock tipicamente americano, que fora popularíssimo na década de oitenta, saiba que eles chegaram ao topo das paradas radiofônicas tendo bandas como o Foreigner desbravando o novo terreno e este álbum é quase como o aportar de novos conquistadores em paragens radiofônicas a serem exploradas por uma renovada civilização musical roqueira. 

Ano: 1977
 
Top 3: Starrider, Fool For You Anyway, Cold As Ice .
 
Formação:  Mick Jones (guitarra, teclados), Lou Gramm (vocais), Ian McDonald (guitarra, teclados), Ed Gagliardi (baixo), Dennis Elliot (bateria e percussão) e Al Greenwood (teclados e sintetizadores).

Disco Pai: Free: Fire And Water (1970)
 
Disco Irmão:  Journey: Infinity (1978)


Disco Filho: Bon Jovi: Bon Jovi (1984)

Curiosidades: O pedigree progressivo estava presente de modo implacável no Foreigner com o tecladista (na verdade, multi-instrumentista)  Ian McDonald, que integrara o fenomenal King Crimson. Em contrapartida, Mick Jones era quase uma enciclopédia do rock clássico, tendo tocado com nomes do quilate de Leslie West, Jimmy Page, George Harrison, Peter Frampton e fundado o Spooky Tooth. 

Pra quem gosta de: Inteligência sem presunção, virtuose ma non troppo e cerveja com espuma servida no copo de plástico durante um show em uma arena lotada. 

 

Anúncios

E aí? Curtiu? Conte-nos o que achou desta postagem, mas seja educado, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s