VOCÊ DEVIA OUVIR ISTO: Ronnie Von, A Misteriosa Luta do Reino de Parassempre contra o Império de Nunca Mais



Dia Indicado para ouvir: Segunda-Feira.

 
Hora do dia indicada para ouvir: Sete da Noite.
 
Definição em um poucas palavras:  Adulto, Alegre, Baladas, Classudo, Progressivo, Psicodélico, Retrô, Som Brasil.

Estilo do Artista: Rock Psicodélico/MPB.
 
Comentário Geral: Para Ronnie Von, a psicodelia era uma forma de forjar o surrealismo por pinceladas musicais. Apesar de referenciado como tal, sempre alegou que nunca fez parte da Jovem Guarda e analisando friamente, ele sempre esteve mais no time dos tropicalistas do que jogando pelas cores da equipe capitaneada por Roberto e Erasmo Carlos. Filho de um diplomata que trabalhava em Londres, Ronnie estava atualizado com o que acontecia no mundo musical no fim da década de 60, muito em decorrência dos discos que seu pai trazia em sua bagagem. A influência destes álbuns, que iam desde os clássicos dos Beatles, até obscuridades psicodélicas como BlossomToes, se mostrou efervescente em sua música, que via, em apenas dois anos (1966-67), o brotar de quatro discos de sucesso, mas que em seu quarto ato, Ronnie Von nº 3, mostrava uma aproximação da experimentação de um músico à frente de seu tempo. Apesar das participações de Caetano Veloso e d’Os Mutantes, o cantor não mostra muito apreço por esta peça ímpar, onde tivemos um ensaio para sua trilogia psicodélica. Um declarado ouvinte de música clássica, suas influências abarcam este segmento musical, muito em decorrência de um álbum que veio dentre as novidades trazidas por seu pai. Classic With a Beat tinha a inovadora proposta de fazer versões da música erudita em roupagem mais pop. Em 1969, após dois anos se passarem de seu último lançamento, Ronnie Von surpreende com dois álbuns vanguardistas, mas pouco compreendidos por público e crítica. Junto com o disco de 1970, Minha Máquina Voadora,  temos formada a influente trilogia psicodélica de Ronnie Von, que, segundo ele, foi gravada sem o uso de nenhuma substância que alteraria a sua consciência musical, como era habitual por músicos que queriam extrapolar as fronteiras da lucidez musical naqueles dias. Fica claro nos três álbuns (Ronnie Von[1969], A Misteriosa Luta do Reino de Parassempre contra o Império de Nunca Mais e Minha Máquina Voadora) que o artista queria transcender o status quo musical e investigar contornos mais surrealistas para suas músicas. O ápice de sua jornada esta nesta segunda peça: A Misteriosa Luta do Reino de Parassempre contra o Império de Nunca Mais. Apesar de pouco citado como mais brilhante dos três, nestas músicas, Ronnie e seus parceiros musicais conseguiram embalar canções de compositores gabaritados e versões de sucessos internacionais em papel para presente pintado pelo surrealista René Magritte (para conhecer mais da obra deste artista, clique aqui). Sem medo de errar, misturou sonoridades psicodélicas tradicionais da época com personagens de histórias em quadrinhos e mitologia antiga, além de explorar grandes composições nacionais (de nomes como Benito di Paula, Tom Jobim e Juca Chaves) e sucessos do pop internacional de modo surreal e artístico para dizer o mínimo. Quem vê Arnaldo Saccomani, em sua figura decrépita em júris de programas de calouros, proclamando a música popular mais rasteira de nossos dias, nem imagina que em outras épocas ele foi vanguardista e co-autor de três canções deste mítico álbum, assinando ainda mais duas versões de sucessos do pop mundial. Dentre as canções, temos um rock n’ roll visceral em De Como Meu Herói Flash Gordon Irá Levar-me de Volta a Alfa Centauro, Meu Verdadeiro Lar, com versos geniais e música contagiante em uma parceria de Ronnie e Saccomani, que se repete na mediana Mares de Areia e na sensacional Regina e o Mar. Já nas composições de baluartes nacionais, temos uma versão riquíssima para Dindi de Tom Jobim. Uma típica roupagem de fim dos anos 60, com baixo evidente, arranjos diferenciados e voz cautelosa, veste Por Quem Sonha Ana Maria, de Juca Chaves e Foi Bom ganha tons roqueiros, arranjos de teclados e pinceladas jazzisticas que abrilhantaram ainda mais a jóia de Benito di Paula. As versões são irrepreensíveis, a começar pela belíssima Atlântida, originalmente composta pelo britânico Donovan, que na versão de Ronnie Von ganhou uma letra inspiradíssima (quase uma tradução direta) sobre a civilização perdida que é objeto de nossa admirada curiosidade. Na última peça nos deparamos com Comecei Uma Brincadeira, uma versão de I Started the Joke, do Bee Gees, que ao contrário do que vemos hoje, foge dos versos bregas e piegas das tantas versões que nos flagelam os ouvidos no decorrer da história.  Entretanto, a pérola máxima deste álbum se encontra em Rose Ann, uma canção trilíngue, que nos remete aos sucessos das chansons psicodélicas francesas de Serge Gainsbourg e Christophe. Este disco é uma obra-prima que começa a ser redescoberta pelas novas gerações após quarenta anos de obscuridade e, enfim, podemos bater palmas para um músico cujas ideias estavam anos-luz à frente de seu tempo e que foi pioneiro nas tonalidades psicodélicas na galeria musical brasileira.  

Ano: 1969
 
Top 3:  De Como Meu Herói Flash Gordon Irá Levar-me de Volta a Alfa Centauro, Meu Verdadeiro Lar, Atlântida Rose Ann.
 
Formação:  Ronnie Von (vocal), Tony Osanah (guitarra), Cacho Valdez (guitarra), Toyo (teclados), Willy Verdaguer (baixo) e Marcelo Frias (bateria) e mais músicos não creditados.

Disco Pai: Blossom Toes: We Are Ever So Clean (1967).
 
Disco Irmão: Os MutantesOs Mutantes  (1968).


Disco Filho: 
Ronnie Von: Minha Máquina Voadora (1970)

Curiosidades: A fase psicodélica de Ronnie Von foi execrada pelos “sábios” críticos musicais de sua época. Mas o artista, 40 anos depois, mostrou que estava muito à frente de seu tempo, quando seus discos desta fase eram comprados a preços exorbitantes no Japão, como peças raras e maravilhosas da música psicodélica mundial.

Pra quem gosta de: Inovações, anti-heróis, história em quadrinhos, franjas e Coca-cola.

 photo 13-8_zps0c600a03.png
Anúncios

E aí? Curtiu? Conte-nos o que achou desta postagem, mas seja educado, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s