ATUALIZANDO A DISCOTECA: Neil Young and Crazy Horse, “Americana” (2012)

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

12729253_511794849003430_7541690725444373423_n
Neil Young and Crazy Horse: “Americana” (2012, Reprise Records)

Um dos discos mais aguardados de 2012 chegou às lojas em meio a uma artilharia pesada da crítica especializada. Mas convenhamos, Neil Young não precisa provar nada a ninguém e até pode, mesmo sendo canadense, lançar um álbum só com releituras de músicas tradicionalmente americanas, como “Oh! Susanah”, “Clementine”, “Gallows Pole” (a melhor faixa do disco) e “This Land Is Your Land”. Musicalmente falando,temos o puro rock de Young que está acompanhado do grupo Crazy Horse, com o qual lançou grande parte de seus clássicos e com quem não se reunia em estúdio desde 2003, quando lançou o disco Greendale. Porém, os arranjos estão, até certo ponto, desleixados. Muitas vezes, temos a sensação de que as músicas foram gravadas no primeiro take e que assim ficariam. Por isto, não se sabe se Neil quis homenagear as canções folclóricas da terra do Tio Sam ou fez uma “avacalhação” velada. As duas primeiras faixas supracitadas são as canções que servem de abre-alas e os mais desavisados não irão reconhecê-las como regravações, tamanha a personalidade que foi imposta nestas releituras. “Tom Dula” se tornou uma canção de Neil Young e é um dos destaques do álbum, com solos longos e nos moldes de canções como “Alabama”, “Cortez, The Killer” e “Southern Man”. O ritmo lento e arrastado do rock “youngniano” é quebrado pela ótima “Gallows Pole”, mais direta e com melodia sem muita variação da composição tradicional para os mais familiarizados com a cultura americana. O trabalho vocal em “Get a Job” é digno de nota e remete aos grupos vocais que construíram os pilares da cultura musical americana. Outro destaque é, sem dúvidas, “Flying High Birds”, um rock completamente nos padrões do canadense mais americano do rock. Outro destaque fica para “Wayfarin’ Stranger”. Esperava mais deste álbum de Mr Neil Young, pois as versões possuem certa personalidade, mas existem versões melhores das mesmas espalhadas pelo mundo musical.

Anúncios

E aí? Curtiu? Conte-nos o que achou desta postagem, mas seja educado, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s