ATUALIZANDO A DISCOTECA: Woslom, “A Near Life Experience” (2016)

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

woslom_frontcover_anearlifeexperience
Woslom: “A Near Life Experience” (2016, Shinigami Records)

O Woslom chega ao seu terceiro álbum praticando um Thrash Metal visceral, com sonoridade bem trabalhada dentro do estilo, conseguindo soar extremamente musical, sendo este fato um corolário da técnica apurada de seus integrantes, imprimindo muita musicalidade aos seus arranjos, mas sem abusar de aspectos melódicos. Os classicismos de nomes como Exodus, Metallica, Megadeth e Testament estão evidentes, mas apenas como influências e menções, não como mimetismos, além de se apresentarem misturados a elementos modernos, confeccionando uma abordagem bem original e empolgante.

A preocupação com os arranjos salta aos ouvidos, num trabalho vertiginoso, dilacerante, técnico, brutal e cheio de feeling nas guitarras, com dedilhados brilhantes em músicas bem desenvolvidas, não necessariamente rápidas, com doses homeopáticas de punk e Death Metal, mas esbanjando criatividade e inteligência num Thrash Metal bem trabalhado, que são os quesitos fundamentais para se fugir da repetição. Não existe um riff fora do lugar, uma linha vocal desajustada ou uma virada de bateria desnecessária, tudo se mostra muito bem planejado e imprevisível aos ouvidos acostumados às nuances do estilo.

woslom_promopic1

O Woslom chega ao seu terceiro álbum praticando um Thrash Metal visceral, com sonoridade bem trabalhada dentro do estilo, conseguindo soar extremamente musical.

Faixas como “Underworld of Aggression” (visceral e melódica), “A Near Life Experience” (com linhas de guitarra empolgantes), “Brokenbones” (visceral e que remete aos bons tempos do Megadeth, quando o baixo fazia uma dança helicoidal entre as guitarras), “Unleash Your Violence” e “Lords of War” (com blasting beats, guturais extremos e artifícios eruditos) se destacam como pedradas do Thrash Metal nacional que não devem em nada às bandas gringas, além de nos fazer suspeitar que o Woslom, quiçá, seja a banda de sua geração que mais evoluiu dentro do cenário nacional.

Anúncios

1 comentário Adicione o seu

E aí? Curtiu? Conte-nos o que achou desta postagem, mas seja educado, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s