ATUALIZANDO A DISCOTECA: Obituary, “Ten Thousand Ways To Die” (2016)

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Por Ricardo Leite Costa

a4067034761_10
Obituary: “Ten Thousand Ways To Die” (2016, Relapse Records) Nota: 8,5.

Se lhe pedissem pra definir o Death Metal em uma única palavra, o que você diria? Bem, você eu não sei, mas eu responderia Obituary e solucionaria rapidamente essa questão. Nenhuma banda do profícuo cenário americano representa o autêntico Death Metal em sua essência como o Obituary. Senhores onipotentes da cena da Flórida, o grupo acaba de lançar “Ten Thousand Ways to Die”, seu mais recente trabalho, e que só vem a corroborar com sua inabalável reputação. Na verdade, o disco em questão não traz muitas novidades, pois trata-se de um single contendo duas faixas inéditas acrescidas de onze faixas gravadas ao vivo em diversas apresentações durante a tour de “Inked in Blood” (último álbum inédito, lançado em 2014).

Pois bem, todos nós sabemos que o Obituary ao vivo é imbatível, esbanjando adrenalina em performances selvagens, por isso, é redundância enaltecer as qualidades de clássicos do quilate de “Visions in my Head”, “Dying”, “Find the Arise”, “Chopped in Half” e de um dos maiores hinos do gênero já compostos, “Slowly We Rot”, embora muitos clássicos tenham ficado de fora do “track list” do álbum (cadê “Cause of Death”, “Back to One” e “Killing Time”?), mas fazer o quê. Quem é fã do estilo imortalizado pelo Obituary sabe e reconhece a real importância dessas composições, não só para o Death Metal em específico, mas para todo o segmento da música pesada em geral.

0003496941_10

Nenhuma banda do profícuo cenário americano representa o autêntico Death Metal em sua essência como o Obituary.

Quanto às novas músicas, é aquele chute na cara de sempre, com o Obituary correspondendo sobremaneira às expectativas. “Loathe” é a faixa de abertura e já podemos perceber nos primeiros segundos de audição o por quê dessa escolha. Composição impactante, densa, forjada num peso sobre-humano, onde os riffs e acordes sebosos e “engordurados” de Trevor Perez e Kenny Andrews, em conjunto com a voz demoníaca de John Tardy, protagonizam em pouco mais de seis minutos um massacre Death/Doom (sim, Doom mesmo) que seus ouvidos e pescoço jamais se esquecerão.

Ten Thousand Ways to Die” surge na seqüência, mantendo o conhecido padrão de qualidade da banda. Faixa um pouco mais rápida que sua antecessora, pesada, agressiva, com uma leve carga melódica, principalmente nos solos, que poderia perfeitamente integrar o repertório de “Inked in Blood”. São duas excelentes composições, dando uma pequena “palhinha” do que vem pela frente. Em se tratando de Obituary, podemos aguardar pelo melhor. Desse reinado do Death, o Obituary não será destituído tão cedo.

Confira o álbum na íntegra, via Bandcamp: 

Anúncios

E aí? Curtiu? Conte-nos o que achou desta postagem, mas seja educado, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s