ATUALIZANDO A DISCOTECA: Attractha, “No Fear To Face What’s Buried Inside You” (2016)

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

attractha
Attractha, “No Fear To Face What’s Buried Inside You” (2016, Dunna Records, Shinigami Records) NOTA:9,0

Tudo neste álbum está certo com os moldes clássicos: a quantidade de faixas que não satura o ouvinte, passa a mensagem e deixa um desejo por mais; a duração do álbum pouco excede os salutares quarenta e cinco minutos; a abertura é impactante e o desfecho é agressivo; e o melhor de tudo, um trabalho gráfico que impressiona, mostrando que o CD pode proporcionar uma experiência aos cinco sentidos do ser humano assim como o LP fazia, basta boa vontade e inteligência. E inteligência é o que não falta à esta banda brasileira que mescla como poucos a melodia com o peso, dando uma oxigenação moderna ao Metal Tradicional, em faixas como “Bleeding In Silence” (a tal da abertura impactante), “Unmasked Files”, “”231”, “Mistake and Scars”“Holy Journey”.

 Confira o clipe para a faixa “Payback Time”…

A forma moderna e pujante de se praticar o Heavy Metal promovida por Cleber Krichinak (vocais), Humberto Zambrin (bateria), Ricardo Oliveira (guitarras) e Guilherme Momesso (baixo) é construída sobre uma diversidade musical que mescla o Metal Tradicional com o Hard Rock, com o Rock Alternativo (principalmente a forma noventista, como podemos saborear em “No More Lies”, com seus belíssimos arranjos) e até mesmo com o Thrash Metal (este em menos escala como apresentado no ótimo desfecho com “Payback Time”), não economizando nas guitarras tempestuosas e nas melodias que aparecem na medida certa.

 Confira o lyric video para a faixa “231”…

A convivência harmoniosa de agressividade e melodia, classicismo e modernidade, deu um bem vindo clima de imprevisibilidade ao álbum como um todo, que ainda cativa pelos refrãos envolventes e pelas linhas vocais muito bem desenvolvidas, mas sem perder a pegada metálica. Além disso, ao contrário do que se espera para estas abordagens mais modernas do Heavy Metal, o Attractha explora bem menos o groove, dando mais espaço para as passagens metralhadas, solos em profusão e diálogo entre linhas instrumentais, como na excepcional “Move On” (onde, em dado momento, a guitarra duela com o baixo, apesar de certa cadência mais groovada). Certamente, esta faixa, ao lado de “Victorius” (com peso e melodia na medida certa), são os maiores destaques do trabalho.

pati2bpatah2bfoto

Tudo neste álbum do Attractha está certo com os moldes clássicos, mas com inteligência mesclam como poucos a melodia com o peso, dando uma oxigenação moderna ao Metal Tradicional.

Não poderia deixar de enaltecer a produção de Edu Falaschi, que é irrepreensível e engrandeceu a sonoridade em momentos mais pulsantes da cozinha, que sustentou perfeitamente os arranjos, além de dar ainda mais impacto às linhas cortantes de guitarra. Analisando a obra como um todo, é impossível não oferecer como destaque o trabalho gráfico em digipack, lançado com muito esmero via Shinigami Records,  brilhando mais que muitos trabalhos “gringos” por seu bem sacado design, inexistente no Brasil, e trabalhado pelo baterista Humberto Zambrin.

Após quase dez anos de luta e um EP em 2013, o Attractha lança um dos melhores álbuns de 2016, não somente em escala nacional! Aqui, a experiência musical é completa!

Anúncios

E aí? Curtiu? Conte-nos o que achou desta postagem, mas seja educado, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s