VOCÊ DEVIA OUVIR ISTO: Angra, “Holy Land”

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

angra-holy-land

Dia Indicado Pra Ouvir:  Quarta-Feira;

Hora do dia indicada para ouvir:  Meio Dia;

Definição em um poucas palavras: Melódico, Alegre, Brasil, Classudo, Guitarra, Pesado.

Estilo do Artista: Heavy Metal.

Comentário Geral: Esqueça essa história de que o segundo álbum do Angra é um dos grandes trabalhos do Heavy Metal nacional. Comece a aceitar que “Holy Land” é um dos grandes álbuns da música brasileira como um todo, numa investigação musical que merece todo o reconhecimento! Tudo bem que misturar brasilidades musicais com o Rock não era novidade, afinal, Mutantes, Raul Seixas, Lobão, Nação Zumbi e Raimundos (pra citar superficialmente alguns nomes) já vinham manufaturando a mistura, assim como o Sepultura e seu “Roots”.

Mas a abordagem do Angra tem um sabor diferente! Menos carnal e mais academicamente ousado, distante da volúpia tribal que o Sepultura mergulhou, Rafael Bittercourt e seus companheiros deram requinte, classe e eruditismo à mistura, numa exploração melódica da música brasileira. A fusão já vinha sendo ensaiada desde o trabalho anterior, “Angel’s Cry” (1993), como prova a clássica “Never Surrender”, que flertava com o baião. Mas ali era só um flerte e o conceito musical precisou de foco para ser bem desenvolvido, o que os levou à reclusão em um sítio, numa espécie de retiro musical, onde concretizaram o ousado projeto com sucesso.

“Holy Land”, foi lançado em 23 de março de 1996 e à época fora tratado como um amálgama de Dream Theater com Helloween, tamanha a eficiência melodia entremeada por passagens mais progressivas. “Nothing To Say”, “Make Believe” e “Carolina IV” são destaques imediatos já na primeira audição, mas, com o tempo, outras composições ganham luz à medida que mergulhamos no conceito das letras e começamos a compreender os detalhes da música brasileira que permeiam o Heavy Metal.

Acredito que este foi o problema da compreensão inicial do álbum: poucos fãs do estilo estavam familiarizados com a música brasileira, principalmente de nomes como Hermeto Paschoal (que tem um trecho de composição aparecendo em “Carolina IV”). Esse problema levou algumas pessoas a dizerem que o Angra havia copiado o Sepultura, quando, na verdade, o período de composição não permitiria tal fato, e ainda, leva a comparação trabalhos tão diferentes em seu conceito e concepção. A ousadia era tamanha que em meio ao Speed Metal, Progressivo e Melódico temos batucada, flautas, tamborins, timbales, violão, triângulo, piano, música clássica, versos em português e até um pajé falando sobre ervas curativas em “The Shaman”.

Hoje em dia, isso tudo não é mais novidade, mas em meados da década de 1990 poderia enterrar a carreira de uma banda do estilo. Isoladamente, cada um dos integrantes mostra grande domínio de suas funções, mas as guitarras de Rafael (com mais feeling em comparação à virtuose de Kiko) e as linhas vocais de André (confira “Deep Blue”) são destaques tão grandes que fogem à curva de suas performances dentro da discografia da banda.

O conceito lírico também se mostra inteligentíssimo ao tratar das grandes navegações da era do mercantilismo, centrando a época do Descobrimento do Brasil, sendo muito bem emoldurado por tonalidades musicais europeias e brasileiras. Queiram ou não, este álbum abriu a mente de muitos fãs de Heavy Metal para a música brasileira e aproximou do estilo quem o rotulava por “apenas barulho”. Por todos estes atributos, VOCÊ DEVIA OUVIR ISTO!

Ano: 1996;

Top 3: “Nothing To Say”, “Make Believe” e “Carolina IV”. 

Formação: André Matos (vocal), Kiko Loureiro e Rafael Bittencourt (Guitarras), Luis Mariutti (baixo), Ricardo Confessori (Bateria).

Disco Pai:  Angra: “Angel’s Cry” (1993).

Disco Irmão:  Sepultura: “Roots” (1996).

Disco Filho:  Bruno Mansini: “The Golden Soul”  (2016).

Curiosidades: O clássico “Nothing To Say” teria um arranjo de cavaquinho, vetado pelos produtores, mas que chegou a ser gravado por Nica do Cavaco, pseudônimo do músico Marcello Nicastro, que foi guitarrista do Korzus por uma década.

Pra quem gosta de: Solos, ousadia, virtuose, caipirinha, RPG, história e misturar feijão na macarronada!

7193764292_7842d4c43a_z

Anúncios

E aí? Curtiu? Conte-nos o que achou desta postagem, mas seja educado, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s