ATUALIZANDO A DISCOTECA: Evergrey, “The Storm Within” (2016)

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

evergrey-the_storm_within
Evergrey: “The Storm Within” (2016, AFM Records, Die Hard Records) NOTA:8,5

O Evergrey é uma das bandas com mais feeling dentro da música progressiva moderna e chega a seu décimo álbum de estúdio exatamente no momento que comemora seus vinte anos de carreira. “The Storm Within” traz o lado progressivo e melancólico da banda mais aflorado, mas sem abdicar de seus cacoetes de Power Metal (como na excepcional “Someday” que evoca os bons tempos da banda e “Disconnect”, que tem a participação de Floor Jansen [Nightwish, ex-After Forever], com pegada mais sinfônica e épica), num instrumental extremamente técnico, encorpado e cadenciado. Segundo Tom Englund (cuja voz mantém a força e carisma intactos), “buscavam o sentimento da pessoa mais solitária do mundo”, objetivo muito bem traduzido na capa acachapante, e um conceito motivado por novos filmes de ficção científica. Englund ainda completa dizendo que “a emoção guiou as composições”.

 Confira o clipe de “In Orbit”, faixa com participação da belíssima Floor Jansen (Nightwish, ex-After Forever)…

Uma simples audição já nos mostra que esta afirmação é fato irrefutável deste trabalho que explora uma grande carga emocional em composições multifacetadas e dinâmicas. “Distance” abre o álbum com guitarras pesadas, que também aparecerão em “Astray” (mais uma com ótimos momentos de flertes com o Power Metal e um solo à lá Pink Floyd), mescladas a teclados pontuais, mas envolventes (que aparecerão periodicamente), linhas de vozes emocionais e um desfecho belíssimo. Alguns detalhes mais sombrios e melancólicos chegam a remeter a tonalidades musicais góticas (como em “In Orbit” que também tem a participação de Floor Jansen), principalmente nas linhas de teclados.

 Confira o clipe de “Distance”, faixa de abertura do trabalho…

Destaques para as guitarra versáteis e bem timbradas, além do conceito das letras, desenvolvido com destreza, evidenciando a perda de pessoas amadas, explorando temas como traição, raiva, solidão, saudade, memórias e redenção, com pontos de máximo nas faixas “Passing Through” (de refrão envolvente e encaixando sua proposta numa estrutura mais Hard Rock), “The Impossible” (balada introspectiva que chega a lembrar o Anathema em certos momentos), “My Allied Ocean” (pesada e cativante), “The Lonely Monarch” (com arranjos multifacetados), a belíssima faixa “The Paradox of the Flame” (com a cintilante voz de Carina Englund, esposa de Tom e arranjos de violino de sensibilidade latente) e o epílogo com a faixa-título que resume toda a essência introspectiva desta peça impressionante na discografia do Evergrey.

 Confira o clipe de “The Paradox of the Flame”, faixa com participação de Carina Englund, esposa de Tom Englund…

Um álbum que, acima de tudo, eleva o Heavy Metal ainda mais como arte cheia de beleza e sentimento que, ao findar da última faixa, nos deixa um pouco tontos, como se um abismo de silêncio se escancarasse em nossos pés, tamanha a sua capacidade inspirar emoções diversas.

Anúncios

E aí? Curtiu? Conte-nos o que achou desta postagem, mas seja educado, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s