ATUALIZANDO A DISCOTECA: Eternal Sex An War, “Negative Monoliths” (2014)

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

1000x1000
Eternal Sex An War, “Negative Monoliths” (2014, Quality Steel Records, Shinigami Records, Nuclear Blast) NOTA:8,0

Segundo álbum do trio italiano de Death/Black Metal, “Negative Monoliths” traz oito faixas em menos de quarenta minutos, anunciadas pela intro instrumental “Nothing But Void” que usa samples da era clássica do terror italiano, até que o impiedoso ataque extremo explode em “Heretic Reaktor”, faixa densa, que chama a atenção pelos vocais ora vomitados, ora como se saído das catacumbas infernais que emanam a energia do Black Metal, à cargo de Thorshammer, também guitarrista da banda.

Tudo aqui é crú, virulento, brutal, direto e asfixiante, construído sobre blasting beats e barulho sistemático. E fatalmente existe um fascínio profano neste ruído sistemático, ainda mais quando ele emana de notas vigorosas derramadas pelas guitarras, como raios em meio a uma tempestade de linhas insanas de baixo-bateira, à cargo de Dr. Faustus e Gornhar, respectivamente.

eTERNAL sEX AND wAR

“Negative Monoliths” é o segundo álbum do trio italiano de Death/Black Metal Eternal Sex and War, e traz claras influências de Celtic Frost, Mayhem e Hellhammer, além de todo o obscurantismo das passagens arrastadas e groovadas do Doom/Death Metal, que dão um dinamismo, mesmo que mórbido e sombrio, tão necessário à audição. 

Apesar deste ser apenas o segundo álbum da banda, eles surgiram em 2001 pela mãos do vocalista/guitarrista, Thorshammer, e do baterista, Gornhar, que buscavam uma forma de canalizar seus louvores de puro ódio, de forma imaculada, através de um Black/Death Metal cru e massivo, desenvolvido à partir das raízes do Thrash e do Heavy Metal, como historicamente se fez, e que “musicassem” seus “poemas” macabros, imorais e desafiadores.

“Negative Monoliths” desenvolve esta abordagem infernal de modo impiedoso e com uma produção que consegue soar desoladora, mas sem descambar para o ruído amorfo tão tradicionalmente estereotipado ao Black Metal, sendo sujo na medida certa. Cada detalhe é brutal e mórbido, veloz em sua grande parte, mas ainda assim musical e audível nas claras influências de Celtic Frost, Mayhem e Hellhammer, além de trazer todo o obscurantismo das passagens arrastadas e groovadas do Doom/Death Metal, que dão um dinamismo necessário à audição.

Confira a faixa “Endless Dogmatic Demolition”… 

Faixas como “Endless Dogmatic Demolition”, “Hellucinates By The Ungod of Exile” (melhor do álbum, que possui andamentos impressionantes e linhas de bateria e baixo alucinantes), “Sarin Total Wipeout” “Cyclone Demagogy” (que tem inegável espírito de Celtic Frost) são a transmutação da energia metálica em algo feroz, negro e vulgar.

Longe de ser tecnicamente sofisticado, a música apresentada aqui parece definida por mistérios com suas próprias leis, numa geometria musical simétrica e virulenta que criará um abismo de silêncio aos seus pés quando terminar!

Anúncios

E aí? Curtiu? Conte-nos o que achou desta postagem, mas seja educado, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s