ATUALIZANDO A DISCOTECA: Mike Tramp, “Maybe Tomorrow” (2017)

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

miketrampmaybetomorrowcd_0
Mike Tramp, “Maybe Tomorrow” (2017, Target Records) NOTA:8,0

Meu amigo, se algum desavisado, parado no tempo, pegar este décimo álbum solo de Mike Tramp com o White Lion na cabeça vai cair da cadeira, afinal “Maybe Tomorrow” me fez conferir duas vezes no player se não estava tocando alguma música perdida do Matchbox 20, tamanha a similaridade do timbre vocal de Mike com Rob Thomas. Sim! Este álbum flerta muitas vezes com o Pop Rock! É acessível e radiofônico! Mas é bom! Muito bom…

A produção límpida, e não artificial, amplificou o instrumental coeso, com alguns detalhes podendo passar despercebidos em meio ao corpo simples das composições, que transitam pelas linhas do já citado Matchbox 20, e do Bon Jovi (da década passada, e sem a choradeira e as bregas baladas intermináveis) em sua maioria, mas com elementos pontuais de Bruce Springsteen, Bob Seger e Neil Young, combinando perfeitamente com uma tarde amena na estrada.

Longe dos exageros e afetações da época do White Lion, Tramp mescla o Classic Rock com Pop Rock que tangencia o estilo conhecido atualmente como Americana, com ótimos detalhes de slide, cadência e melodia, com bucólico sabor interiorano e melancolia estradeira…

A abertura com “Coming Home”, já traz este espirito estradeiro, mas longe da modernidade que será explorada ao longo do trabalho com um todo, com um sabor mais sounthern/country, à lá Bob Seger. Já faixas como “Spring”, “Rust and Dust”, “Leaving One Day” (quiçá, a melhor do trabalho, com linhas progressivas no pontual solo de teclado) e “Would I Lie To You” lembram fortemente os dois primeiros álbuns do Matchbox 20, sendo os maiores destaques deste álbum.

Confira o clipe da faixa de abertura, “Coming Home”… 

Longe dos exageros e afetações da época do White Lion, Tramp mescla o Classic Rock com aquele Pop/Country Rock que tangencia o estilo conhecido atualmente como Americana, com ótimos detalhes de slide, cadência e melodia, bucólico sabor interiorano e melancolia estradeira. “Maybe Tomorrow” é um álbum simples, que obviamente não mudará nada no mundo da música e passará batido pela maioria dos mortais, mas é delicioso de se ouvir, principalmente naqueles momentos que queremos algo bom, simples e despretensioso para ouvir.

Anúncios

E aí? Curtiu? Conte-nos o que achou desta postagem, mas seja educado, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s