KING CRIMSON: 5 Discos Pra Conhecer

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

É inegável que o King Crimson se desenvolve em torno do gênio Robert Fripp, que já se mostrava ousado e alternativo, muito antes do termo alternativo ser construído como gênero roqueiro.

O músico influenciou nomes que vão de  Kurt Cobain  a Mikael Åkerfeldt (basta ver os mais recentes álbuns do Opeth), além de participar de discos de David Bowie e Peter Gabriel. Seu King Crimson é uma banda reverenciada  pelas estrelas neoprogressivas contemporâneas do Tool e The Mars Volta, muito por uma discografia de alta qualidade, principalmente em sua primeira fase.

O que a banda criou, à partir do clássico “In the Court of the Crimson King” (1969) até “Red” (1974), não tem paralelo dentro da música progressiva, em volume e qualidade. Sempre ousado, inventivo, inteligente, exploratório e experimental, o King Crimson nunca se privou de estar na vanguarda da música moderna.

Por isso, elegemos cinco, dentre as quase duas dezenas de álbuns lançados pela banda, para o leitor se iniciar no mundo musical do King Crimson.

1) King Crimson: “In the Court of the Crimson King” (1969)

album-king-crimson-in-the-court-of-the-crimson-king-0Esse álbum é tão emblemático que costuma ser citado como o mais importante da história do Rock Progressivo. Exagero ou não, a verdade é que ele é um divisor de águas dentro dos primórdios do estilo, situando-se na vanguarda do estilo naqueles dias, criando praticamente uma cartilha para a confecção do Progressivo que seria feito por Yes, Pink Floyd e Genesis.  O épico riff de “21st Century Schizoid Man” mostra claramente a inventividade de Robert Fripp que casava perfeitamente com a voz de Greg Lake, nome que brilha na bela e chorosa “Epitaph”, versando melancolicamente sobre o destino. A ousadia deste trabalho advém da variação entre arabescos folk, improvisos jazzísticos, flautas e bateria apocalíptica, combinando Heavy Rock, Progressivo e Psicodelia.

2) “Larks’ Tongues in Aspic” (1973)

Resultado de imagem para Lark's Tongue in AspicNeste álbum o King Crimson muda o rumo de sua música, em tonalidades mais experimentais e pesadas, saindo do formato fusion/progressivo, para algo mais Avant-Garde, com guitarras dissonantes e andamentos “matemáticos” preciosos, mesclando o tradicional jazz fusion, dos álbuns “Lizard” (1970) e “Islands” (1971), com ambient, Heavy Rock (como nos riffs sabáticos da faixa de abertura), flamejante sabor jam-session, melodias cadenciadas, pontuais momentos épicos e clima de trilha sonora de filme de terror. Só as duas partes da faixa título, abrindo e fechando o trabalho já lhe valeria o posto de melhor trabalho do King Crimson, mas além de faixas brilhantes como “Book of Saturday” “The Talking Drum”, temos a melhor formação da história da banda em um álbum, com o gênio Robert Fripp nas guitarras, John Wetton no baixo e vocais, David Cross na violino, viola e mellotron, Bill Bruford na bateria e Jamie Muir na percussão. Certamente um dos cinco melhores álbuns da história do Rock Progressivo.

3) “Starless and Bible Black” (1974)

Resultado de imagem para Starless and Bible BlackQuiçá o mais obscuro álbum da discografia do King Crimson, “Starless and Bible Black” continua a escalada de inventividade , dedicação e exploração dentro da música progressiva, mas de modo mais melancólico e sombrio, estudando as imperfeições da música, e a incompletude da geometria musical assimétrica com uma habilidade técnica assombrosa, combinada a uma climatização eletrônica emocionante, enquanto a melodia advém das linhas de violino, viola, guitarra e mellotron“The Night Watch” é uma das mais belas e negras peças que o Rock Progressivo forjou, seguida de perto dentro deste trabalho por “Lament”, “Fracture”, “The Mincer” e a faixa-título. Da formação que gravou “Larks’ Tongues in Aspic” (1973) “só” tivemos a baixa de Jamie Muir, mostrando, indubitavelmente, que esta era a melhor fase da banda, a ser confirmada no próximo trabalho, o elegante “Red” (1974)

4) “Red” (1974)

Resultado de imagem para king crimson RedAo contrário da assimetria do trabalho anterior, “Red” é mais coeso e elegante, num puro exercício de criatividade em cada um de seus detalhes. Um trabalho inteligente, altamente progressivo e variado, que impactou nomes das gerações posteriores que vão de Kurt Cobain (há quem diga que este álbum foi a grande influência do grunge do Nirvana [!?!]) a Mikael Åkerfeldt (do Opeth). “Starless”, a faixa que dá acordes finais a esta peça é uma das grandes preciosidades da história do rock e encerra uma das maiores formações que a música progressiva viu unida, que, mesmo desfalcada de David Cross, manteve a alta classe em conluio à ousadia técnica. Após este álbum, Robert Fripp encerrou as atividades da banda, que se silenciaria por sete anos. Se este fosse seu capítulo final, seria em grande estilo e uma das grandes saídas de cena da música moderna. Todavia, a banda voltaria nos anos 1980 ainda relevante e com sonoridade contextualizada.

5) “Discipline” (1981) 

Resultado de imagem para king crimson DisciplineOs sete anos que o King Crimson ficou fora de cena mudaram o mundo música. Neste ínterim, a música progressiva se tornou datada, o punk surgiu com força e se ramificou na New Wave, que abarcava nomes que iam de Duran Duran ao Talking Heads. E é inegável que aqui, nestas faixas, existe toda a picardia progressiva do King Crimson mergulhada em influências New Wave, principalmente do Talking Heads, que trazia uma proposta musical interessantíssima dentro da comercialidade e acessibilidade do gênero. Nas mãos de Fripp, Brufford e cia, a New Wave se transmutou em Art Rock, muito pela parcela de Tony Levin (baixista) e Adrian Belew (vocais e guitarras) que completam a formação da banda, dando todo o arcabouço técnico para a experimentação rítmica que Fripp tinha em mente, mas encaixada na tradição musical do King Crimson.

Anúncios

E aí? Curtiu? Conte-nos o que achou desta postagem, mas seja educado, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s