ATUALIZANDO A DISCOTECA: The Neal Morse Band, “The Similitude of a Dream” (2016)

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

cover-neal_morse-the_similitude_of_a_dream-1024x1014
The New Morse Band: “The Similitude of a Dream” (2016, Radiant Records/Metal Blade) NOTA:9,5

Ninguém discute que Neal Morse é um talento incansável da música progressiva moderna. Seu trabalho junto a nomes como Flying Colors, Transatlantic e Spock’s Beard, além da carreira solo, nos oferece sabores musicais tão deliciosos quanto diversificados e suas parcerias com o baterista Mike Portnoy têm abrilhantado ainda mais seus trabalhos recentes, principalmente na The New Morse Band que lançou o excelente “The Grand Experiment”, em 2015, investindo numa nova abordagem musical, que retirou todas fronteiras potencialmente limítrofes de sua obra. Claro que as tradicionais harmonias intrincadas, os vocais esmerados e os belos arranjos tão inerentes ao rock/metal progressivo estão presentes.

Band+Shot+for+Posters.jpg

Neste álbum conceitual, Neal Morse retirou todas fronteiras que pudessem limitar sua obra. Claro que as tradicionais harmonias intrincadas, os vocais esmerados e os belos arranjos tão inerentes ao rock/metal progressivo estão presentes…

Todavia, ainda podemos experimentar texturas diferentes das usuais, mais orgânicas e mais próximas à abordagem setentista da música progressiva. O mais louvável nesta fórmula é a envolvência que ela traz, principalmente num álbum conceitual como este “The Similitude of a Dream”, em formato duplo (com aproximados 100 minutos de música) e baseado na obra  “Pilgrim’s Progress”, de John Bunyan.

Apesar da abordagem onírica e espiritual do enredo do livro, este álbum foge do caráter evangelizador impresso em trabalhos pregressos de Neal Morse, mas seus arranjos conseguem capturar muito bem a mensagem de cada parte da história, que soa mais alegórica do que evangelizadora.

 Confira o clipe para “City of Destruction”…

Além disso, a diferenciação entre as faixas, advinda da colaboração dos integrantes na composição, e a precisão técnica de suas performances fazem a obra de Morse olhar para horizontes musicais diferentes dos usuais. Destaques para: “City of Destruction”, “The Ways of a Fool”, “I’m Running”“Broken Sky/Long Day”. Por fim, a prolífica e altamente nivelada carreira de Neal Morse nos faz certos de que ele é um dos gênios musicais da atualidade e trabalha muito bem acompanhado.

Anúncios

E aí? Curtiu? Conte-nos o que achou desta postagem, mas seja educado, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s