ATUALIZANDO A DISCOTECA: David “Honeyboy” Edwards, “I’m Gonna Tell You Somethin’ That I Know: Live At The G Spot” (2017)

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

61sv7v89ial-_ss500
David “Honeyboy” Edwards: “I’m Gonna Tell You Something’ That I Know: Live At The G Spot” (2017, Omnivore Recordings) NOTA:9,0

Nos primeiros segundos deste álbum uma voz rouca e envelhecida pergunta à platéia: “vocês estão prontos para o blues?”

Aos primeiros esboços de confirmação, David “Honeyboy” Edwards, um dos representantes da primeira geração de bluesmen do Delta do Mississippi, começa desfilar seus acordes menores, sincopados, em parceria da harmônica maliciosa, e da rústica bateria que mantêm o ritmo, nos dando a certeza de que estamos diante da mais pura e primitiva essência do blues norte-americano, gênero de onde se desenvolveu a parcela mais importante da música popular moderna.

A captação não é das melhores, principalmente para a voz e para a gaita, que soam distantes, como se tudo fosse registrado por um único microfone. Mas nem isso é capaz de tirar o brilho de faixas como “That’s Allright”, “Little Boy Blue”, “You’re The One”, “Country Boy”, “Catfish Blues”, “Sweet Home Chicago”, que estão incluídas neste histórico registro.

Na verdade, essa produção primitiva fornece um certo charme rústico ao material, amplificando sua crueza, e sua honestidade, pelo clima de juke joint perene. Somos, ao longo da performance, transportados para um bar, sendo possível sentir o aroma de cerveja derramada, ou de álcool envelhecido em carvalho, nossas pupilas se adequam à meia luz, e nossas pálpebras se defendem da fumaça dos cigarros. Exagerado? Ouça e certifique-se…

Confira o álbum via Spotify… 

Aos não iniciados, a técnica rústica de David “Honeyboy” pode soar incômoda, e inábil, mas o feeling impresso pelo senhor de 95 anos que empunha sua guitarra com lucidez nos faz certos de que aqui está a essência da magia do Blues, em sua forma mais sagrada!

Não obstante, como já mencionado, este é um registro histórico, adjetivo justificado por esta ser sua última gravação em vida, já que faleceu aos 96 anos, em 2011.

Anúncios

E aí? Curtiu? Conte-nos o que achou desta postagem, mas seja educado, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s