ATUALIZANDO A DISCOTECA: Cold Mist, “From the Dark Hills of the Past” (2017)

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

2047970
Cold Mist, “From the Dark Hills of the Past” (2017, Cold Art Industry) NOTA:9,0

O Black Metal é um gênero que sempre pareceu envolto em mistérios de uma ciência com suas próprias leis e jargões, distante do mundo das harmonias comuns e adornado por uma concepção artística particular, como bem mostra este “From the Dark Hills of the Past”, álbum de estréia da banda gaúcha Cold Mist, à começar pela belíssima arte da capa, invocando o nevoeiro sombrio e gélido mencionado nos versos de algumas das nove composições apresentadas.

Aos cuidados do renomado Marcelo Vasco (que também contribui com as linhas de guitarra sob a conhecida alcunha de Mantus), a arte gráfica colabora com a aclimatação inicial do trabalho, continuada pela misteriosa e sinfônica abertura, com a instrumental faixa-título, de obscuro apelo teatral que se repetirá em “Manuscripts From Beyond”, um interlúdio que confere uma dinâmica de LP ao trabalho, por ser quase uma abertura para o Lado B.

Confira o álbum via Bandcamp… 

Já nesta introdução, variam inteligentemente a reverência melódica com a densidade abissal, que se estendem sobre a rispidez das influências escandinavas em faixas como “Night and Mysteries”, “Triumph of Cruelty”, “Deadly Mist” (com uma variação vocal interessante), e “Old Domains” (com bateria diferenciada e contraste vocal).

O Black Metal brasileiro sempre esteve fortemente ligado ao Death Metal, mas ao longo destas composições destacadas temos claras e puras inspirações na cena noventista escandinava, com teclados climáticos e sinfônicos, conferindo toda a morbidez e reverência que cativam no gênero, aliados à hostilidade musical, numa dança macabra de contrastes e velocidades.

Resumindo, o trio formado por Triumphsword (vocal e bateria), Bloodhate (guitarra e baixo), e Bartzabel (teclados), nomes vinculados à cena extrema nacional em bandas como Patria, Thorns of Evil, e Hatred Sculpted Souls, forjou em “From the Dark Hills of the Past” um álbum que provoca adjetivos como ríspido, fúnebre, direto, gélido, e brutal, além de remeter a nomes como Emperor e Darkthrone.

“From the Dark Hills of the Past”, álbum de estréia da banda gaúcha Cold Mist, formada por nomes vinculados à cena extrema nacional em bandas como Patria, Thorns of Evil, e Hatred Sculpted Souls, provoca adjetivos como ríspido, fúnebre, direto, gélido, e brutal, além de remeter a nomes como Emperor e Darkthrone…

Mesmo assim, em meio a toda esta brutalidade nota-se esmero com a evolução das composições, com detalhes interessantíssimos borbulhando da estética agressiva, entre vocais rasgados (com as tradicionais métricas silábicas em suas linhas), bateria alucinada, guitarra cortante e produção cavernosa, de textura sepulcral (que pode assustar quem não está acostumado com a sujeira e minimalismo tradicionais à escola noventista), além da mística dos elementos sinfônicos, que ajudam a dinamizar as mudanças pontuais de andamentos atreladas a partes instrumentais rápidas.

Neste contexto, “A Funeral Frost”“Emotions of a Full Terror” e “Fullmoon Tragedies” são os pontos de máximo do repertório. A primeira faixa se destaca pelos vocais “limpos” em meio a intensidade de tormenta sinfônica do Black Metal, enquanto a segunda, com seus quase oito minutos, trazem linhas de teclado emulando melodias melancólicas, e guitarras de cadencia sorumbática num contraste entre agressividade e espírito épico. Já a terceira, fecha o trabalho com uma beleza obscura que chega a ser desconcertante.

É impressionante como um álbum gravado em 2010 que extrai o conteúdo latente  das obras tradicionais do Black Metal, soa fresco e sem cheiro de mofo, muito pelos teclados onipresentes que dão um contraste cativante à sonoridade primitiva, numa justaposição orgânica de simplicidades, sombras melódicas e dinamismo crú.

Por fim, é impossível passar incólume às melodias densas e sombrias, que originam uma aura negra que serve de ligação entre a brutalidade musical e a progressão harmônica soturna destas composições, que fazem de “From the Dark Hills of the Past” um candidato a novo clássico do Black Metal nacional.

Anúncios

E aí? Curtiu? Conte-nos o que achou desta postagem, mas seja educado, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s